quinta-feira, 26 de março de 2015

Tricampeão mundial do Cape Epic volta ao Brasil e concede entrevista exclusiva

Ao lado do holandês Bart Brentjens, atleta Scott chegou a sua terceira vitória na competição, marca inédita na história do MTB brasileiro
São Paulo (SP) – De volta ao Brasil, o tricampeão da
Cape Epic na categoria Master, Abraão Azevedo fala das emoções de competir por 739 km, em uma prova que levou oito dias para ser completada.“Essa terceira vitória foi a mais difícil das três. Sentimento de dever cumprido e de que toda a dedicação e empenho valeu a pena”, disse.
Pedalando uma Scott Spark 700 RC e com o holandês Bart Brentjens ao seu lado, o maratonista conquistou uma posição unanime, nunca antes alcançada por um brasileiro. Abaixo, confira aentrevista exclusiva que ele concedeu assim que retornou ao país. A Scott parabeniza o atleta e tem orgulho de contribuir para essa conquista histórica!
[SCOTT] Qual a sensação de ser tricampeão mundial da Cape Epic?
[Abraão Azevedo] Senti uma grande emoção, pois essa terceira vitória foi a mais difícil das três. Sentimento de dever cumprido e de que toda a dedicação e empenho valeu a pena.
[S] A Scott Spark 700 RC colaborou para esse título?
[
AA] A bike funcionou como um relógio em todos os estágios: subidas, downhill, curvas, planos e trilhas. Perfeito para mim! Meu “trabalho” era só colocar óleo na corrente, conferir os líquidos nos pneus, retirar os espinhos... E pronto para o dia seguinte.
[S] Qual foi o maior desafio da prova deste ano?
[AA] A dupla Nico e Rob...  A partir da primeira etapa ficamos com uma diferença de pouco mais de 1 minuto e, durante os quatro estágios seguintes, fomos para o Sprint final juntos. Eles venceram três dias seguintes e a cada dia tiravam alguns segundos.
[S] Poderia fazer um balanço por dia de prova, em termos de desafios e privilégios de cada um deles?
[AA] Prólogo: dia rápido, menos de 1 hora. Ficamos em segundo lugar apesar de termos feito o nosso melhor.
1ª etapa: vencemos. Abrimos uma diferença importante apesar de muita dificuldade e um ritmo muito forte.
Etapas 2,3, e 4: fizemos a melhor possível. Fomos para a chegada e perdemos todos os dias. Nico estava descendo muito bem. Resolvemos mudar a estratégia para o dia seguinte (defendemos a camisa de líder).
Etapa 5: procurei forçar nas subidas para descer na frente, apesar de irmos para a chegada, vencemos.
Etapa 6 e 7: andamos no 100% e vencemos.
[S] Teve algum momento mais difícil, que exigiu da parte emocional e física?
[AA] Sim. Em vários momentos, cheguei a pensar que perderíamos a liderança, em especial no estágio 5, quando o Bart furou o pneu traseiro... Mas superamos!
[S] E qual foi o mais marcante?
[AA] Com certeza o estágio 5. Considero a etapa rainha: com pneu furado e vitória no final.
[S] Dentro de seu desempenho na prova tem algo a melhorar para próximas maratonas como esta?
[AA] Preciso me posicionar melhor no início dos estágios para poupar energia.
[S] E o que melhorou com relação às edições anteriores?
[AA] Não tive tudo correndo bem durante minha preparação. Sofri um acidente com um veículo durante um dos treinos. Por isso, tive de interromper os exercícios, o que comprometeu um pouco minha performance na prova.
[S] Como foi a parceria com holandês Bart Brentjens por mais um ano?
[AA] Tivemos uma boa semana. Muito trabalho duro, mas valeu a pena! Gostamos do desafio. A vitória tem um sabor especial quando ele é mais difícil. Fomos testados ao limite e ao final de todos os dias pensávamos: "o que podemos fazer pra melhorar?". 
A Rapadura é doce mas não é mole! [risos]

domingo, 22 de março de 2015

É perigoso pedalar pelas estradas brasileiras?

O Professor Arnaldo, editor chefe da "Nóis na Fita A TV", não se abalou com a crise financeira que desequilibrou as finanças da emissora e, mesmo inscrito em duas competiçõs de mountain bike neste final de semana, 22 de maraço, não se deixou abater e, na Categoria Solo, completou um treinão tendo como percurso de ida e volta, a rodovia Fernão Dias.

É ou não é perigoso pedalar pelas estradas brasileiras?
Segundo o Professor Arnaldo, se o biker tomar algumas providências, mesmo para um ciclista menos experiente, dá para curtir um bom pedal na boa ,conforme está demonstrado em vídeo gravado ao vivo neste domingão sem Faustão, que pode ser visto abaixo:



Pedalar ou não pedalar nas rodovias, eis a questão!
Então meu caro leitor e ciclista receoso: se você é um daqueles que mal sabe pedalar pelas ruas do bairro ou está temeroso de se arriscar pelas rodovias, a grande dica do momento é fazer um curso com a galera da CICL0FEMINI Escola de Bicicleta, cujo objetivos está demosntrado abaixo:

Quem é a Ciclofemini

Em destaque: Claudia Franco e Marcelo Ruivo
A Escola de Bicicleta Ciclofemini foi criada em 2010 com o objetivo de dar conhecimento e habilidades que ajudará o aluno a estabelecer um estilo de pilotagem que melhor atenda a sua ambição e necessidade.

Nosso público compõe-se de crianças, adolescentes e adultos de ambos os sexos, dos mais diversos níveis, seja do aprendiz que nunca montou em uma bicicleta até o ciclista avançado que busca conhecimento de novas técnicas e/ou aperfeiçoamento da pilotagem da bicicleta.

Além dos cursos práticos para o uso e pilotagem consciente da bicicleta, damos assessoria completa ao aluno na orientação para aquisição de equipamentos, vestuário e acessórios. E, através de parcerias com assessorias especializadas, nos seguintes aspectos:

Orientação para condicionamento físico;
Orientação nutricional;

Capacitação na esfera emocional para superação de medos, traumas, baixa autoestima entre outros aspectos.

O foco do trabalho da escola é na motivação do aluno para que o mesmo adote uma nova postura buscando qualidade de vida, entendo e integrando-se as questões ambientais como mobilidade, sustentabilidade, ecologia e responsabilidade social.

Ministramos palestras técnicas e motivacionais.

Atendemos empresas  no desenvolvimento de programas específicos e eventos.

Geramos conteúdo educativo sobre o tema bicicleta para jornais, revistas e blogs.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Técnico afirma: “Brasil tem chances de medalha no Pan-Americano de MTB”

Segundo Cadu Polazzo, equipe terá de superar altitude (2.500m) para buscar o pódio e seguir na disputa por vaga nos Jogos Olímpicos
São Paulo (SP) – A Seleção Brasileira de Mountain Bike encara o primeiro desafio internacional da temporada 2015. Em busca da vaga nos Jogos Olímpicos Rio 2016, os ciclistas brasileiros disputam na próxima semana, entre os dias 25 e 29 de março, o Campeonato Pan-Americano de MTB, em Cota, na Colômbia.

Segundo o treinador da Seleção Brasileira, Cadu Polazzo, o desafio é um dos mais importantes do ano, por ser uma das competições que valem mais pontos no ranking que definirá os participantes da próxima Olimpíada. Na Elite, categoria mais importante da disputa, o primeiro lugar garante 200 pontos no ranking. Segundo e terceiro colocados somarão 150 e 120 pontos, respectivamente.

“O Pan-Americano é fundamental na busca das vagas olímpicas. O diferencial será a adaptação de cada atleta à altitude. A competição acontece a 2.500 metros acima do nível do mar e a adaptação a essa condição é diferente para cada pessoa e isso será fundamental no desempenho”, analisa o treinador.

Representado pelos atletas Henrique Avancini, Rubens Donizete, Ricardo Pscheidt, Fred Nascimento, Sherman de Paiva na Elite Masculina; Raiza Goulão, Isabela Lacerda e Erika Gramiscelli na Elite Feminina; e Luiz Henrique Coccuzi, na Sub-23; o Brasil deve chegar à Colômbia ainda nessa semana e o mais importante: com chances de medalha.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Scott reúne atletas em nova ação para os amantes da bicicleta


O mercado de bicicletas está em evolução constante em todo o mundo. Cada vez mais as pessoas têm opções para atender aos ciclistas e para quem curte pedalar – seja mountain bike, estrada ou pela cidade. Por isso, a Scott Brasil reuniu alguns dos principais atletas brasileiros em uma ação inédita – que deve chegar ao mercado no próximo mês de abril.
Quer saber um pouquinho do que vem por aí? Assista ao teaser de lançamento!


A Scott é considerada uma das principais marcas do ciclismo mundial. Com grande foco em engenharia, tecnologia e inovação, seus produtos são referência quando o assunto é bicicleta. No Brasil, a marca suíça é distribuída há mais de 20 anos pela IGP Sports, sempre trabalhando com marcas premium de prestígio mundial.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Tatiani Lobo comanda a vitória das guerreiras do MTB na Copa Kalangas Bikers em Águas da Prata

RESULTADOS


Moisés Lourenço Santos foi o campeão na Elite Masculino

Terrível o que essas guerreiras do Mountain Bike andam fazendo com o pilotos das categorias masculinas, pois Tatiani Lobo, não só venceu na Categoria Elite Feminino, como comandou as espetaculares velocidades médias de todas as categorias femininas, ou seja, a mulherada deixou muitos marmanjos comendo poeira, no caso desse domingo, lama e barro, seriam as palavras mais adequadas, dado as chuvas constantes poucas horas antes do início da etapa inaugural da Copa Kalangas Bikers, que aconteceu neste domingo na bela cidade e Águas da Prata.


Os destaques da Copa Kalangas Bikers


Além do show das guerreiras do MTB, se deve ressaltar a extrema competência do Helio Bueno, organizador da prova,
que reduziu um pouco o percurso, para evitar acidentes nos pontos mais perigosos, por causa da chuvarada, bem como sinalizou todo circuito, assim nas áreas mais críticas, o piso estava muito bem sinalizado, com muitas placas e extensas marcações de cal no solo, garantindo assim, a chegada de todos os pilotos sem nenhum acidente a ser registrado.

llllllll



Fotos gerais da COPA KALANGAS BIKERS em Águas da Prata - 15 de março de 2015




 Vídeo Oficial - COPA KALANGAS BIKERS - Águas da Prata 15-03-15